É tudo sobre tempo – parte 2

Eu já escrevi aqui sobre como o que realmente importa na vida é o nosso tempo. E gostaria de complementar aquele post. Então, vamos à parte 2.

Nas últimas semanas, o Brasil se despediu de um dos seus maiores empresários, Abílio Diniz. Ele morreu aos 87 anos e deixou uma fortuna de mais de 2 bilhões de dólares.

Sempre que vejo uma notícia assim, penso: “ele deve ter ficado p da vida por ter que sair dessa vida em que era tão rico. Afinal, qual a probabilidade de nascer de novo e ser tão rico?”.

Além da sua fortuna, Abílio Diniz também era conhecido por ser um grande entusiasta dos esportes. E aqui acho que é o ponto chave dessa questão: ele sabia que era perfeitamente possível acumular muito dinheiro, mas ainda é impossível viver para sempre. Tenho certeza de que ele cuidava muito bem da sua saúde porque queria maximizar ao máximo o uso do nosso recurso mais escasso: nosso tempo de vida.

Ter noção de que nosso tempo é muito mais limitado do que o dinheiro que podemos ganhar deveria ser algo intrínseco para nós, seres humanos. Sempre que nos depararmos com algo que nos dê mais tempo versus algo que nos dê mais dinheiro, a escolha óbvia deveria ser pelo primeiro.

Mas eu mesma me esqueço disso às vezes. E vejo outros pagando para ganhar tempo e desperdiçando esse tempo fazendo coisas que provavelmente Abílio Diniz não faria se ganhasse mais umas horinhas na terra.

Seja frugal, não mesquinho

Quando você começa a ler blogs sobre o movimento FIRE, logo percebe que alguns gastos são abominados pelos membros da comunidade. Você deve parar de usar seu carro a todo instante e comprar uma bicicleta. Deve evitar almoçar todos os dias em restaurante e levar sua comida para o trabalho. E deve eliminar a TV a cabo e repensar se precisa mesmo de todas essas assinaturas de streaming.

Eu embarquei de cabeça no corte desses gastos. Passei horas na frente do meu computador, calculando todo dinheiro que tinha saído da minha conta no último ano e pensando no que eu deveria cortar. O processo de corte de gastos foi longo, e me acostumei a cortar cada real que considerava um desperdício de dinheiro.

Mas a humanidade não para, e novas tecnologias são descobertas a todo instante. Quando comecei no movimento, o Youtube era apenas uma página na web com vídeos engraçadinhos. Mas hoje, a coisa é bem diferente.

O Youtube virou uma fonte de informação e, se souber usar bem, de ensinamentos valiosos. Alguns deles foram chaves para tornar minha vida frugal possível, como todos os vídeos de receitas da Rita Lobo e os inúmeros vídeos de pessoas que ensinam como consertar qualquer coisa sozinho.

Eu consumia (ainda consumo) horas de conteúdo do Youtube por dia. E os espertinhos por trás desse site genial sabem muito bem como monetizar isso: eles monetizam com o seu tempo.

Então não demorou muito para que o Youtube começasse a mostrar um anúncio de poucos segundos antes dos vídeos. Espertinhos, eles sabiam o valor do meu tempo e estavam monetizando a minha atenção.

Eu poderia pagar pelo Youtube Premium e me livrar dos anúncios, mas isso me custaria R$20 por mês. Eu era uma pessoa frugal, sabia o valor de R$20 ao longo do tempo.

Mas essa era uma economia que fazia sentido?

Percebi que, se fosse obrigada a ver 2 minutos de anúncio por dia, então em um mês, eu estava gastando 1h do meu tempo com anúncios no Youtube.

Ou seja, eu estava vendendo 1h da minha vida por R$20.

Isso era completamente contraprodutivo. Sim, eu estava obcecada em juntar dinheiro. Mas o objetivo final não era ter o máximo de dinheiro possível. O objetivo final era ter dinheiro suficiente para ser dona do meu tempo.

Se essa era o objetivo final, fazia sentido abrir mão do meu tempo por R$20/hora? Eu ganhava 5x isso no meu trabalho na época. E eu estava vendendo meu tempo precioso para o Youtube por R$20.

Existe uma diferença entre ser frugal e ser mesquinho. Ser frugal é alinhar seus gastos com seus objetivos de vida. É gastar e economizar de forma consciente. E a grande maioria das pessoas se beneficiaria cortando gastos de R$20 que são desnecessários.

Mas é preciso evitar o caminho da mesquinhez. Quando postei sobre o poder das pequenas economias, uma pessoa comentou que achava perigoso evitar essas pequenas economias. Que abrir mão de tomar um café com um amigo e ter um bom papo com ele poderia ser muito mais prejudicial do que gastar R$20. E eu concordo.

No meu exemplo acima, os R$20 que eu estava economizando da assinatura premium do Youtube se caracterizavam muito mais como mesquinhez do que frugalidade. Assistir anúncios não era um bom uso do meu tempo (e ainda não é!).

Um uso melhor do meu tempo

Graças à minha assinatura Premium do Youtube, quando meu marido e eu recebemos as chaves do nosso Studio, decidimos que íamos fazer a reforma com as nossas próprias mãos.

Divertíamo-nos ao assistir vídeos de DIY no Youtube, por isso, quando surgiu a oportunidade de aplicar todo esse conhecimento na prática, não pensamos duas vezes.

Pintamos as paredes, colocamos o piso e, talvez a parte mais interessante e divertida de todas, montamos os móveis sozinhos. Depois de um tempo, com a prática da montagem dos móveis, meu marido foi além e desenhou o nosso gabinete do banheiro e os móveis da sacada. Não porque era mais barato, mas porque parecia algo divertido e um bom uso do seu tempo.

Somos o tipo de casal que gosta de passar o tempo montando quebra-cabeça, então por que não montar um quebra-cabeça de proporções gigantes, como nosso armário, com as próprias mãos?

Se tivéssemos contratado um profissional, além do custo, teríamos perdido a oportunidade de nos desafiar a fazer algo novo. E o melhor, de nos desafiar a fazer algo novo juntos.

É claro que para coisas mais enfadonhas, preferimos contratar um profissional. Pegar tábuas de madeira e transformá-las num armário era muito divertido. Mas gastar horas do nosso tempo descobrindo como instalar o aquecedor de gás e garantir que isso fosse feito da forma mais segura não pareceu muito divertido, então esse foi um gasto que pagamos feliz. De novo, aqui era uma questão de ser frugal ao invés de ser mesquinho.

Não perca o foco de comprar mais tempo na sua vida

É claro que toda essa indulgência de DIY só foi possível porque estávamos aposentados e tínhamos tempo livre.

Muitas pessoas criticam, dizendo: “Eu também me divertiria montando meus móveis, mas eu preciso trabalhar! Ainda não tenho minhas contas pagas pelos meus investimentos, então não posso me dar ao luxo de faltar no trabalho para montar minha mesa de jantar!”.

Eu entendo a crítica, mas minha intenção é que você leia este texto e conclua: “Eu também quero ter tempo livre para fazer essas coisas!” e arregaçar as mangas para viver uma vida frugal e chegar lá também.

E enquanto você trabalha, saiba que isso não te isenta de fazer um uso melhor o seu tempo e, de quebra, economizar dinheiro com isso.

Vejo muitas pessoas contratando profissionais para “ganhar tempo” e depois desperdiçando esse tempo precioso no celular. Os restaurantes estão repletos de mesas com pessoas que ficam no celular em vez de interagir com o parceiro. São pessoas que jantam fora porque estão sem tempo de cozinhar e passam o tempo de espera deslizando a tela do celular em vez de interagirem com as pessoas à mesa.

Eu sei, é muito mais cômodo descansar fazendo algo passivo, como ver o Instagram, do que fazer algo ativo, como engajar em uma conversa com o seu parceiro.

Mas o que realmente importa nesta vida? Se Abílio Diniz ganhasse mais uma hora de vida, o que ele faria com essa hora? Conversaria com a esposa ou ficaria no celular?

É claro que não seria o fim do mundo ficar assistindo anúncios no Youtube com a boa intenção de economizar R$20. E às vezes, tudo o que queremos é relaxar em frente à TV.

Mas é sempre válido reavaliar o uso que fazemos do nosso tempo. Sempre existem formas de gastar menos e melhorar a sua vida, assim como também existem formas de gastar mais para ganhar tempo que será usado de forma preciosa.

Tanto para mim, que corro o risco de ser mesquinha às vezes, quanto para você, que ainda não está aposentado, a mensagem principal é: não podemos perder o foco de comprar mais tempo de vida!

Não perca nenhum post!

Aposentada aos Trinta

14 comentários em “É tudo sobre tempo – parte 2

  1. Youtube premium é vida, pq por 24.90 vc ganha além dos videos sem anuncios, um serviço de streaming de musica tão bom quanto o Spotify. E no Spotify as pessoas pagam 21.90 só pelo streaming! então na prática vc tá pagando só 3 reais para tirar os anuncios. vale muito a pena.

  2. É sempre a questão do equilíbrio. Cortar o cafezinho, cortar todo tipo de lazer, cortar todos os streamings, cortar todos os gastos que economizam tempo e que trazem prazer são hábitos de quem poupa como um fim e não como um meio. A pessoa virou escrava do dinheiro e não percebeu.

    É fácil ser extremista, tanto para um lado como para o outro. Difícil é encontrar o equilíbrio, até porque não existe receita de bolo. Cada um tem que encontrar o seu. Abs!

  3. Seu artigo me deixou bem reflexivo quanto aos perigos de uma aposentadoria precoce.

    Concordo que tempo é o bem mais valioso, mas viver uma vida que me deixasse preocupado com R$20 do Youtube ou R$50 do Netflix seria algo muito angustiante.

    Eu sei que nem sempre estou com ânimo de assistir algo no Netflix e eventualmente algum mês se passa sem que eu tenha aproveitado o serviço, mas no final do mês são apenas R$50.

    Esse é apenas um exemplo, mas eu não gostaria de abrir mão de comodidades simples, tal como, ao invés de almoçar em um restaurante de comida por quilo, ter que levar marmita de casa para economizar, e assim por diante.

    Por isso cada vez acho que “Coast Fire” é a opção mais interessante.

  4. Penso que seja muito importante pensar também na qualidade do nosso tempo. Recentemente decidi por reduzir a minha carga de trabalho com consequente redução na renda. Trabalhando e aportando mais, eu estava mais próxima do FIRE, no entanto, o meu pouco tempo livre não tinha qualidade, devido ao cansaço. Dessa forma, estou buscando um equilíbrio entre ter mais tempo de qualidade no presente, e me organizar para que eu possa ter condições financeiras e de saúde no futuro.

    1. Parabéns pela decisão! E que bom que vc trabalha em uma área que permite isso.
      Eu acho que existe uma relação direta e muitas vezes ignorada entre tempo e saúde. Mais tempo livre, sobre mais tempo para cuidar da saúde. É maravilhoso isso!

  5. Excelente texto, como sempre. Penso constantemente sobre o uso de redes sociais, meu tempo escoa pro lixo. São quase 4h às vezes consumindo distrações, que no final do dia, não lembro de absolutamente nada. Tive que ser mais rigorosa comigo e desativei as redes, até ter uma relação mais saudável novamente (ou não voltar, o que seria incrível também).

    1. Esses dias eu li uma matéria que trazia esse dado: o brasileiro gasta em média 4h por dia com redes sociais. Não sei se é um bom uso do tempo mesmo. Se for para ter ideias criativas e inspirações para viver uma vida melhor, eu acho ótimo. Mas se for para ficar invejando a vida alheia, comparando o palco dos outros com os nossos bastidores, acho um péssimo uso do tempo!

  6. Legal a reflexão! Você teria dicas de canais interessantes no YouTube? Fiquei curioso de conhecer.
    Sobre os gastos, um exemplo que gosto é o de não economizar com alimentação saudável. Considero compras de ingredientes de qualidade, orgânicos e de boa procedência como um investimento na saúde e logo no tempo que terei para viver.
    Concordo plenamente com a crítica ao uso de celular, que está totalmente descontrolado infelizmente na nossa sociedade atual.
    Ficar parado sem fazer nada por um tempo é um verdadeiro luxo! Deveria ser mais praticado pelas pessoas. Nosso vício pela gratificação instantânea tb prejudica a trajetória fire e tira nossa motivação para projetos de longo prazo.
    Abs,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo