Como ir para Disney gastando pouco

Como ir para Disney gastando pouco? Coloquei como meta gastar apenas 2 mil dólares por pessoa na Disney. E a meta foi concluída com sucesso!

Minha ausência do blog nas últimas semanas tem um motivo muito nobre: eu estava de férias na Disney. Engraçado tirar férias na vida de aposentada, mas como foram duas semanas fora da rotina, a sensação era de férias.

Eu amo parques de diversões. Quando pequena, minha mãe escolhia um dia aleatório do ano para me acordar e dizer “surpresa, hoje você não vai para a escola, hoje vamos ao Play Center!”. Esses dias ficaram marcados na minha memória e fazem parte das lembranças mais queridas que tenho da minha mãe. Eram dias de pura alegria. Então quando visitei a Disney pela primeira vez, eu pirei. Passei um bom tempo mirando a Disney como destino de férias até que conheci meu marido e ele tinha outros planos para as nossas viagens. Deixei a Disney de lado e fui conhecer o mundo. Não me arrependo, mas estava morrendo de saudades de viver uma vida de puro prazer nos parques de diversões.  

Mas também quis aproveitar essa viagem para fortalecer os músculos da frugalidade. Eu e meu marido temos um orçamento de 4 mil dólares por ano para viagens internacionais cada um. Mas como temos uma viagem longa planejada para o ano que vem, coloquei como meta gastar apenas 2 mil dólares por pessoa na Disney. E a meta foi concluída com sucesso!

Passagem: 489 dólares

A regra número 1 para economizar com passagem aérea é comprar com antecedência. Decidimos essa viagem em abril, então compramos a passagem com 7 meses de antecedência.

Nossa passagem foi comprada no site 123 milhas. A gente poderia ter pago ainda menos pela passagem se tivéssemos comprado com mais antecedência ainda. Por exemplo, hoje a 123 milhas vende passagens para Orlando a partir de 889 reais para junho de 2024. Tem algumas condições especiais para pegar esses voos, como aceitar escalas ou flexibilidade de 24h para viajar. No nosso caso funcionou super bem! Conseguimos um voo com apenas 1 escala em Nova Iorque. Pelo preço, achei ótimo!

Eu sempre pesquiso opções de voo em sites mais tradicionais como Skyscanner. Depois comparo os preços com sites que emitem passagens com milhas de terceiros, como o Maxmilhas e o 123 milhas. Ultimamente essas promoções do site 123 milhas tem sido imbatíveis. 

Hospedagem: 322 dólares 

Aqui a regra número um também é reservar com antecedência.

Eu sempre começo minha pesquisa por hotéis pelo site Priceline. Ele funciona como uma espécie de leilão de hotéis. Tem diversas modalidades de reserva e cada uma tem suas vantagens. Eu descobri como usar esse site com a ajuda de um amigo, mas se você pesquisar no Google aprende rapidinho como utilizar as diversas ferramentas do site.

Eu também sempre comparo os preços com o Booking e o Trivago. Dessa vez, o Booking foi mais vantajoso. Conseguimos reservar um hotel Ramada em Kissime (bairro da Disney) por 53 dólares a diária, já incluindo as taxas.

Ingressos dos parques: 841 dólares por pessoa  

Eu não consegui aprender uma forma confiável de economizar nos ingressos, então compramos nos sites oficiais  dos parques. Nós compramos ingressos para os 4 parques da Disney e os 2 parques da Universal por esse valor. Tem muita agência vendendo ingressos em reais e parcelado, mas a conversão do câmbio não era vantajosa para nós que já temos o dinheiro das viagens dolarizado.

O valor acima é só da entrada dos parques e não compramos nenhum ingresso do tipo fura fila (tipo Genie ou Express). Nossa tática para evitar as filas nos parques era simples: a gente chegava antes do parque abrir, e já matava as 3 atrações mais concorridas na primeira hora do parque. Quando os parques enchiam, a gente aproveitava as atrações menos concorridas, assistia a algum show, ou simplesmente descansava. No final do dia, as filas voltavam a ficar menores e dava para aproveitar as atrações que faltavam. 

Os ingressos são caros, então fizemos questão de aproveitar até a última hora do parque. É claro que chegar cedo e ficar até a última hora cansa, mas férias já não precisa mais ser sinônimo de descanso quando você está aposentado. Então deixamos para descansar em São Paulo.

Transporte: 93 dólares por pessoa

A gente arrasou com o nosso gasto com transporte na Disney. Aqui foi o item que despertou aquele orgulho da frugalidade em mim.

Nosso transporte foi uma mistura de Lyft, com transporte público e shuttles gratuitos da Disney, Universal e até mesmo do nosso próprio hotel. Lyft é mais famoso que o Uber nos EUA então as tarifas são melhores. Se você usar esse link, nós dois ganhamos 10 dólares de bônus.

Para chegar bem cedo aos parques, a gente ia de transporte público ou pegava um Lyft até o hotel da Disney mais próximo e de lá usávamos o transporte gratuito para os parques. Na volta a gente fazia a mesma coisa, ou aproveitava o shuttle do nosso próprio hotel dependendo da hora.

Eu aluguei carro nas minhas viagens anteriores para a Disney. Mas eu ainda não tinha a frugalidade tão desenvolvida. O aluguel de um carro simples estava saindo em média 40 dólares a diária. E o estacionamento dos parques custam 30 dólares por dia. Só isso já dava 660 dólares, sem contar a gasolina.

Como nosso hotel era muito próximo da Disney, pesquisei quanto sairia um Lyft ou um Uber para os parques. Para minha surpresa, o Lyft estava cobrando apenas 15 dólares pelo trajeto. Ou seja, ir e voltar de Lyft era o mesmo preço do estacionamento. 

Também pesquisei sobre o transporte público em Orlando, e embora todo mundo desencoraje, a gente usou e foi ótimo. Inclusive para ir para o aeroporto, gastando apenas 4 dólares (2 dólares por pessoa) ao invés dos 34 dólares de tarifa do Lyft. As pessoas têm preconceito com transporte público no mundo todo, mas as duas regras de ouro que usamos para não se estressar com ônibus em São Paulo também valem para Orlando: ficar atento ao horário que o ônibus passa no ponto e evitar ao máximo baldeações. 

A dica de ouro é pesquisar quais são as linhas de ônibus que vão direto para os parques da Disney e da Universal, e se hospedar em hotéis localizados nessas linhas. Você pode pesquisar no site. Inclusive vale trocar de hotel porque a Disney e a Universal ficam distantes uma da outra. Se ficar próximo da Disney quando for visitar os parques da Disney e mudar para um hotel mais próximo da Universal quando for fazer os parques de lá, você também vai economizar tempo e dinheiro com transporte. 

Alimentação: 223 dólares

Outro motivo de orgulho frugal. Gastamos menos de 20 dólares por dia com alimentação, por pessoa. É claro que não fizemos nenhum jantar de luxo, e acho até válido quem queira ter uma experiência assim na viagem. Se você economizar todos os dias, tudo bem querer extravasar um dia e jantar em um restaurante legal (lá tem vários). Mas não sentimos necessidade nessa viagem e os restaurantes caros ficaram de fora.

Comer nos parques é tão caro que qualquer site de dicas da Disney recomenda levar sua própria comida. Para vocês terem uma ideia, um hambúrguer com batata frita sai por 16 dólares, um hot dog custa 12 dólares e uma cerveja long neck custava em torno de 10 dólares. A gente pagou 3 dólares num hot-dog do aeroporto e chegamos a conclusão de que comer nos parques deve estar caro até mesmo para os norte-americanos.

Nós levamos comida para os parques todos os dias. A gente comprou tudo no Walmart, que ficava do lado do nosso hotel. Nossas refeições eram sanduíches com frios variados, saladas prontas, cenourinha, batatinha e castanhas. Também levávamos cookies e bolos para não cair na tentação de comprar um doce caro no parque na hora que o pico de insulina bate!

Uma dica de brasileiro que não gosta de seguir regras é levar bebida alcoólica disfarçada. Não é proibido consumir bebida alcoólica nos parques, mas eles não vão te deixar andar com uma garrafa de vinho na mão. Então a gente enchia uma garrafa de coca cola com um vinho de caixinha de 3 litros que compramos por 11 dólares no Walmart. De noite, quando ficava mais frio, a gente assistia aos shows noturnos tomando um vinho e era só alegria!

Até chegamos a comprar alguma comida em restaurantes. A dica aqui é focar nos quick service, que funciona como os restaurantes de praça de alimentação. Como você fica na fila para fazer o pedido e retirar a sua comida, você não precisa pagar a gorjeta que parte de 18% nos EUA.

TOTAL DA VIAGEM POR PESSOA: 1.968 DÓLARES

As vantagens de tirar férias sendo FIRE

Essas foram as minhas primeiras férias desde que virei FIRE, sem considerar o ano sabático em que viajei pelo Brasil. E as vantagens de tirar férias sendo FIRE são muitas.

A primeira foi não ter que negociar datas de férias com o chefe. Quando eu trabalhava, eu não conseguia planejar minhas férias com muita antecedência e isso fazia com que eu perdesse várias promoções de passagem aérea. E eu tinha que negociar não apenas a data com meu chefe, como também precisava que a data se casasse com as férias do meu marido. Era um inferno. Dessa vez, a gente decidiu a data com base no preço da passagem e ninguém mais se intrometeu. Eu sempre achei que trabalhar tinha custos escondidos, e esse era um deles.

A segunda foi ter flexibilidade com as datas. Eu não mencionei anteriormente, mas nosso voo de ida foi cancelado. Como a gente ia perder um dia de viagem, pedimos para adiar nossa volta em dois dias. A cia aérea topou. Ganhamos dois dias com hotel bancado por eles. Nem preciso dizer que não precisei negociar esses dois dias a mais de férias com chefe nenhum, né?

E a última foi não ter a famosa depressão pós férias. Como vocês sabem, foi isso que desencadeou meu plano FIRE. Eu sofria muito quando tinha que migrar de uma vida de total liberdade para o meu cubículo do escritório. Dessa vez eu até fiquei triste de voltar a uma rotina sem parques de diversões e Mickeys por todo lado. Mas eu voltei para uma rotina que eu amo e não perdi minha liberdade. Definitivamente não chega aos pés da tristeza que eu sentia antes.

Nos comentários: alguma dica para ser ainda mais frugal com viagens? 

Não perca nenhum post!

Aposentada aos Trinta

10 comentários em “Como ir para Disney gastando pouco

  1. Disney é um negócio que nunca tive vontade. Sou paulista e nunca fui no Playcenter, maaaaaasssss, li seu post pq sou absolutamente apaixonada por parques aquáticos, então peguei todos os aprendizados para uma próxima aventura.

    Sua frase “férias já não precisa mais ser sinônimo de descanso quando você está aposentado. Então deixamos para descansar em São Paulo.” Me fez dar altas gargalhadas.

    Sou apaixonada pelos seus textos!

  2. Custos excelentes nessa viagem de vocês. Parabéns!

    Para quem tem filhos ainda criança, muita coisa não poderia ser repetida, infelizmente. O combo Lyft + transporte dos parques, p. ex., pode ser complicado, pelo que se precisa andar no fim do dia e pelo tempo envolvido. A praticidade de um carro é quase inevitável. Muitas vezes as crianças desmaiam ainda dentro do estacionamento.

    Outra coisa é a redução na flexibilidade. Com crianças, não é só o trabalho que impede marcar férias a qualquer tempo. A escola também. Quanto mais avançada na escola a criança vai ficando, mais importantes são os conteúdos e mais consequências a falta de aulas acarreta.

    1. Oi Paulo!
      Eu não nego que minha vida é facilitada pelo fato de não ter filhos. Por isso eu acho que ter filhos tem que ser uma escolha muito consciente e focada nos ganhos disso. Se não você acaba achando que vida com filhos é uma vida de privação. É igual quem leva vida muquirana vs quem leva uma vida frugal.
      Ainda assim, essa dica de não alugar carro veio de um casal de amigos que tem dois filhos, um com 3 anos de idade e outra com 6 anos. Então acho que é factível 😉

  3. Que depoimento fantástico, nada a acrescentar, você é a rainha soberana da frugalidade, duvido alguém acrescentar alguma ideia ou sugestão. Não existe hahahahhaha. Você traduz perfeitamente nossos sentimentos sobre trabalho, férias etc, por exemplo, hoje na minha depressão pós férias, volto dia 30 e já estou numa tristeza sem fim 😭😭😭😭😭

    1. Oi Suzana! Força com a depressão pós férias. Esse era o pior momento na minha vida de trabalhadora. Mas vai passar! Foque nos seus objetivos que logo menos você se livra desse sentimento péssimo.
      E adorei o título de “rainha soberana da frugalidade”, rs. Minha frugalidade é uma alegria para mim. Me diverte, desperta minha criatividade e me permite viver a vida que sempre sonhei 😉

    1. Oi Edimara!
      Sabe que eu acho engraçado quando fazem conteúdos de “quanto você vai gastar na Disney” e inserem um valor X para compras. Como se compras fossem algo absolutamente necessário para fazer na Disney. A gente vive uma sociedade viciada em consumo, infelizmente.
      Mas o câmbio já fez o trabalho sujo de limitar essa mentalidade nos brasileiros, rs. Já não é mais tão barato, e sinceramente, não vi nada que valesse muito a pena.
      Beijos!

  4. A melhor maneira é não ir. Nossa, nao sei o que brasileiro ve naquele lugar. Odiei. Tudo caro, filas pra tudo, aglomeração, desrespeito, caminhar o dia todo, pirralhos ranhentos enchendo a paciência. Nunca mais !!!!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar ao topo
×