Não são as ondinhas que você pula todo ano que vão te deixar rico!

Meus queridos leitores,

final de ano chegando, e decidi resgatar um texto do meu antigo blog “Sempre Sábado”. Lembro que escrever esse texto foi um grande desabafo, e me senti orgulhosa e aliviada quando finalmente traduzi em palavras o meu sentimento de indignação com pessoas que se enrolam com dinheiro sem nem ao menos perceber. Desde então, eu sempre me lembro desse texto quando alguém me diz que vai passar a virada do ano na praia, porque ele precisa entrar no ano novo em grande estilo.

Espero que vocês entrem em 2024 no melhor dos estilos: com muito dinheiro no bolso!


Você provavelmente já conheceu alguém como a Renata. A Renata é uma mulher de 30 anos, de classe média, que trabalha na zona sul, mas mora na zona leste de São Paulo. A Renata trabalha das 9h às 18h, enfrenta mais de 1h de trânsito todo dia e vive reclamando de São Paulo. Ah, a Renata não tem filhos e poderia tirar férias em qualquer época do ano.

A Renata tem a meta de poupar 10% da sua renda, porque é isso que a “sabedoria popular” diz que é o certo. Mas na realidade, ela acaba poupando apenas 5% da renda e quando chega no final do ano, está tão exausta do trabalho (e do trânsito diário) que ela julga que merece férias.

É final de ano, TODO MUNDO viaja no réveillon, e a Renata não quer ser a única a ficar em São Paulo. Então ela pega todo o dinheiro que ela poupou (aqueles 5%) e gasta tudo numa viagem de uma semana para o Nordeste.

O problema é que a Renata não é a única a pensar assim. O país inteiro está dizendo que você merece viajar, pular as sete ondinhas na praia e ter uma virada de ano regada a comida, bebida e muita diversão! Você PRECISA entrar no novo ano em grande estilo.

O Nordeste então vai estar cheio de Renatas (e Renatos também). As companhias aéreas sabem disso e aproveitam para cobrar o equivalente a uma passagem para a Europa. Os hotéis sabem disso e aproveitam para cobrar até 5 vezes mais na hospedagem (pelo mesmo serviço oferecido em um final de semana em abril, por exemplo). Até os taxistas sabem disso e vão ajustar o preço nessa época do ano.

A Renata vai em busca de férias para descansar, mas é engraçado que ela não voltou mais relaxada. Ela pegou uma baita fila no aeroporto e ficou o tempo todo apreensiva de perder o voo. Quando chegou no destino, ficou chocada com o preço do táxi para o hotel, mas não tinha outra saída e pagou mesmo sabendo que estava sendo “explorada”. Ficou na fila do check-in do hotel que também estava com superlotação.

Chegando lá, descobriu que a cidade inteira vai passar a virada em uma festa de dois mil reais, então ela teve que comprar o ingresso, afinal, vale a pena, é “all inclusive” e ela PRECISA entrar no próximo ano em grande estilo. Mas no fundo, ela ficou preocupada porque só tinha orçado o preço da passagem e do hotel, e esses gastos extras estavam deixando a viagem bem mais cara que o esperado.

Foi para a piscina do hotel mas não conseguiu uma cadeira perto dos amigos porque a piscina estava lotada. Então resolveu ir para a praia, mas chegou tarde e tinha tanta gente na frente dela que mal dava para ver o mar.

No dia da festa do réveillon, acabou a água porque a cidade não tinha condições de receber aquele número de pessoas e ela não conseguiu tomar um banho. Mesmo assim, colocou aquela roupa amarela para atrair dinheiro. Ela combinou com um taxista a hora que ele iria buscá-la no hotel para levá-la para a festa, mas tinha tanto trânsito na cidade que ele não chegou a tempo. Ela passou a virada no táxi e ainda perdeu a ceia da festa “all inclusive”.

Mas assim que chegou na festa fez questão de pular as sete ondinhas e pedir o que?

Dinheiro, muito dinheiro. Nas sete ondinhas, nas sete vezes, porque é tudo que ela mais PRECISA na vida.

Depois de tudo isso, a Renata voltou para o trabalho e vendeu 15 dias das férias que tinha direito porque precisava pagar a virada do ano no Nordeste.

Mas aí chegou o final do ano de novo, a Renata estava cansada porque não tirou férias o ano todo porque vendeu as férias, e decidiu que merecia viajar no final do ano porque todo mundo tira férias nessa época e ela também merece. “E a velha a fiar…”

Se você se identificou com a Renata ou conhece alguém como a Renata, mande esse texto para ela porque ele traz uma sabedoria chocante: não são as sete ondinhas que você pula toda virada de ano que vão te fazer rica!

Você vai ficar muito mais rica se deixar para pular essas sete ondinhas em qualquer outra data do ano. Sério Renata, até no carnaval essas ondinhas serão mais eficientes.

Se você não acredita, eu sou a prova viva de que isso funciona. Eu parei de me obrigar a ir para a praia no réveillon há alguns anos, nunca mais pulei ondinhas, e estou conseguindo poupar 50% da minha renda (atualização de 2023: hoje sou FIRE e não preciso mais trabalhar para pagar minhas contas!).

Sabe quando eu pulo as minhas ondinhas? Na baixa temporada!

Pode confiar: ficar em São Paulo na virada do ano não significa que você terá azar em 2024! Você também não precisa ir para uma festa caríssima em um hotel badalado só porque está aqui. Você pode receber seus amigos e familiares em casa, e comer e beber a um preço justo.

Ahh, e sabe o que é ainda mais incrível? Aquele trânsito que você pega o ano todo não existe na semana entre o Natal e o Ano Novo! É algo mágico que vale a pena presenciar! Alguma vez você já disse que São Paulo seria a cidade dos sonhos se não tivesse trânsito? Pois é, existe uma época do ano em que esse sonho vira realidade.

Talvez você esteja lendo isso tarde demais, mas espero que lembre dessa dica para o ano que vem: o que você PRECISA mesmo é de uma virada de ano em casa!

13 respostas

  1. Sempre soube que não estava sozinho nessa!
    Minha vida foi sempre de “tenho vontade de ir nessas festas da virada” mais ai olho os preços e falo “Acho melhor ficar em casa”, e por incrível que pareça eu nunca me arrependo. hahahah

    Estou em busca do meu FIRE e tenho certeza que estou no caminho certo!

    Grande Abraço.

  2. Como somos todos muquiranas aqui, isso me lembra a filosofia de ser anti-manada “be contrarian” no investimento em ações, que é extremamente simples e eficaz no longo prazo, mas é dificil de fazer pelo psicológico: comprar quando a maioria está vendendo no pânico, e vender quando a maioria está comprando na euforia.
    Eu tenho uma amiga que me disse que vai passar este dia 1 de janeiro em sp capital e assistir a 4 filmes nesse dia.
    E ela não vai pagar ingresso pq recebe 2 ingressos grátis do itau todo mês! É um plano de vantagens do itau para quem tem uma pontuação com o banco (= investimentos) relevante.
    Nada de ficar na fila da padaria no litoral!

  3. Eu nunca entendi a tara das pessoas por tirar férias nessa época do ano. Infelizmente hoje eu só consigo tirar férias em janeiro por causa do meu ramo de atuação, mas sonho com o FIRE só pra poder viajar em abril/maio, outubro/setembro pagando bem menos.
    No mais, Boa virada de ano na capital

  4. Nossa. Uma pena eu não ter conhecido, até hoje, mulheres como as que comentaram aqui. Em todo relacionamento sempre foi uma pressão e um estresse danado para programar e executar viagem de casal ou em grupo nesse período terrível.

  5. Siim! Sempre amei passar o ano novo (e qualquer feriado) em São Paulo, adoro a cidade vazia e tranquila, e sendo possível em termos de trabalho, acho muuito melhor viajar na baixa temporada, com preços mais baixos e menos muvuca!

  6. Infelizmente é bem assim que a grande maioria das pessoas agem, e ainda chamam de “perdedor” aqueles que não seguem a manada. Sempre gostei de passar a virada do ano na minha cidade, não tem trânsito, não tem fila no cinema, não tem stress… até parece cidade do interior!

  7. Perfeito. Que ótimo texto.
    Diria mais, não sei por que todos acham que merecem as coisas só por que trabalham (como drones, sem pensar, sem tirar o melhor de sua renda, sem planejamento). Não merecem não. Merecem sofrer mesmo e não coisas boas, por que trabalhar como um otário só pq a sociedade exige não faz ninguem merecedor de nada bom.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *